O Comitê de Instrução da Rússia anunciou hoje (22) a prisão de três autoridades da cidade de Krimsk, no sul do país, por negligência na atuação para dirimir os riscos da enchente na região, que deixou 171 mortos, milhares de feridos e desabrigados.

Os presos são o chefe do município, Vasili Krutkov, do Executivo da cidade, Vladimir Ulanovski e do departamento local de Defesa Civil, Victor Zhdanov. Contra eles, foi iniciado um processo penal por negligência no cumprimento de suas funções.

Além dos três detidos, a chefe do Executivo do povoado de Nizhnibakanski, Irian Riabchenko, também foi responsabilizada pela catástrofe natural que também acometeu o vilarejo.

As acusações se baseiam no fato de que eles não consideraram os avisos meteorológicos de chuva forte e não alertaram a população sobre a ameaça de inundações.

Há duas semanas, as cidades passaram por uma das maiores enchentes da história da Rússia. Além dos 171 mortos, outras 9.000 pessoas ficaram feridas e 35 mil estão desabrigados. O governo da Federação, administrado por Vladimir Putin, prometeu ajuda de 2 milhões de rublos (R$ 130 mil) às famílias afetadas.