O primeiro-ministro da Líbia, Baghdadi al-Mahmudi, disse hoje a um enviado russo, Mikhail Margelov, que a saída de Muamar Kadafi do poder é uma barreira que não pode ser cruzada. “De fundamental importância para nós em qualquer diálogo é a unidade da Líbia”, afirmou. “Muamar Kadafi é o líder do país, e esta é uma linha vermelha” que não pode ser ultrapassada, afirmou o premiê.

Agências de notícias russas citaram mais cedo Margelov, dizendo que, após conversas, o ministro das Relações Exteriores líbio, Abdelati al-Obeidi, afirmou que Kadafi não pretende deixar o poder. “Eu falei com o ministro das Relações Exteriores da Líbia, e o ministro disse que, segundo ele, Kadafi não está disposto a partir”, afirmou o enviado russo.

Otan

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) negou hoje acusações de que a aliança realizou um ataque aéreo contra um ônibus na cidade de Kikla, no sul da Líbia. Segundo a televisão estatal, 12 passageiros morreram no ataque. “A Otan não realizou qualquer ataque aéreo na cidade ontem (quarta-feira)”, afirmou um graduado funcionário da aliança, pedindo anonimato. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.