O ultraconservador Rick Santorum liderava a primária republicana de Michigan, logo no início da apuração dos votos. Preparado para seu eventual fracasso, o conservador moderado Mitt Romney acusara horas antes Santorum de ter usado “truques sujos” e recusara “pôr fogo no cabelo” para vencer a disputa. As urnas foram fechadas às horas (22 horas, horário de Brasília, quando as pesquisas indicavam o empate técnico dos dois candidatos. Com apenas 6,5% dos votos contabilizados, Santorum estava com 40%, um ponto porcentual na frente de Romney, com 37,3%.

Embora tenha governado Massachusetts, Romney nasceu em Michigan e nos anos 60 seu pai foi um popular governador do Estado, um dos principais redutos da direita dos EUA. Jogando em casa, o ex-governador admitiu que erros em sua campanha impulsionaram o nome de Santorum em Michigan. “O candidato, algumas vezes, comete erros, e então eu estou tentando fazer o melhor e trabalhar duro e deixar claro que nossa mensagem foi ouvida”, afirmou. “No final da análise, eu antecipo que serei o escolhido”, completou Romney, em Livonia. No Arizona, a votação continuava, mas a vitória de Romney era dada como certa.

As pesquisas de opinião o apontavam com 42,8% da preferência do eleitorado republicano e com 15,5 pontos porcentuais na frente de Santorum, o segundo colocado. Em nenhuma das primárias de ontem o deputado Ron Paul e o ex-presidente da Câmara dos Deputados Newt Gingrich se destacaram. O senador teria se beneficiado especialmente dos erros cometidos e reconhecidos ontem por seu adversário. As disputas no Arizona e em Michigan têm importância relativa. Envolve a indicação de 59 delegados para a Convenção Republicana, na qual será definido o oponente do presidente Barack Obama. O vencedor precisa de ao menos 1.114 delegados. Mas o resultado pode afetar a chamada “Superterça” – disputa em dez Estados agendada para o dia 6 e considerada a prova de fogo dos pré-candidatos.