O presidente da França, Nicolas Sarkozy, disse hoje que vários países da União Europeia (UE) estão preparando um pacote de apoio para a Grécia, embora ele acredite que o governo grego não vá precisar de ajuda financeira.

Ao lado de Sarkozy, o primeiro-ministro da Grécia, George Papandreou, disse que agora está convencido de que a UE tem vontade política de ajudar seu governo, que luta para conseguir empréstimos de 51 bilhões de euros neste ano a uma taxa de juros que permita cortar seu enorme déficit orçamentário.

A reunião de Papandreou com Sarkozy é parte de uma viagem de cinco dias a capitais estrangeiras com o objetivo de fortalecer o apoio à Grécia dos dois lados do Atlântico. “Há ferramentas precisas e concretas que estamos estudando, mas sobre as quais não daremos mais detalhes esta noite”, disse Sarkozy durante uma coletiva de imprensa conjunta. “A Grécia não tem apenas apoio político, ela será apoiada em todos os aspectos.”

A Grécia aliviou os temores dos investidores na quinta-feira, quando a oferta de títulos de 10 anos do governo grego atraiu compradores para quase o triplo dos 5 bilhões de euros oferecidos. Porém, os títulos têm juros de cerca de 6,3%, o que os tornam quase duas vezes mais caros do que a dívida do governo alemão.

A Grécia, o país mais endividado da UE, vai enfrentar um grande desafio em abril e maio, quando mais de 20 bilhões de euros em dívidas deverão ser pagos. Até agora, a Grécia já levantou 13,6 bilhões de euros.

Na sexta-feira, em Berlim, a chanceler Angela Merkel afirmou que a Alemanha e seus parceiros da UE vão intervir para ajudar a Grécia se houver ameaças de que seus problemas ficarão fora do controle, mas enfatizou que está otimista e acredita que Atenas não precisará de ajuda.

O Parlamento grego aprovou um pacote de austeridade de 4,8 bilhões de euros na sexta-feira enquanto sindicalistas protestavam contra os cortes de gastos e o aumento dos impostos do lado de fora.