Os dias do ator Sean Penn como colunista do jornal "San Francisco Chronicle" – para o qual escreveu uma série sobre suas experiências no Irã em 2005 – podem estar chegando ao fim. O ator protestou contra o jornal depois que ele classificou o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, de ditador.

Penn afirmou que a publicação está "cada vez mais imbecil", em uma carta publicada ontem, em resposta a um artigo debochado sobre o interesse de celebridades em Chávez. O artigo listava uma série de pontos em comum entre celebridades e ditadores, ou outras figuras autoritárias.

O editor do "Chronicle", Phil Bronstein, enfrentou a crítica com fineza, chamando Penn de "um grande ator e grande diretor". "As pessoas se irritam com muitas coisas, especialmente nos dias de hoje. Elas precisam se expressar. Estamos contentes em publicar a carta dele", disse Bronstein.