Uma onda de ataques foi registrada em Bagdá na manhã desta terça-feira, matando pelo menos 56 pessoas, na véspera do 10º aniversário da invasão, liderada pelos Estados Unidos.

Os ataques mostram o quão perigoso e instável o Iraque permanece, uma década depois da guerra. Embora os ataques tenham diminuído desde o pico da insurgência, ocorrido em 2006 e 2007, as tensões continuam elevadas e os militantes permanecem como uma ameaça às forças de segurança iraquianas.

Os ataques desta terça-feira foram em sua maioria realizados com carros-bomba e tiveram como alvo áreas majoritariamente xiitas, pequenos restaurantes, trabalhadores e pontos de ônibus na capital iraquiana e cidades próximas num período de mais de duas horas.

Mais de 200 pessoas ficaram feridas nos ataques, segundo informações das autoridades.

Os ataques aconteceram 10 anos após o dia em que Washington anunciou o início da invasão, em 19 de março de 2003 – embora já fosse madrugada do dia seguinte no Iraque.

Também nesta terça-feira, o gabinete iraquiano decidiu adiar, por seis meses, as eleições provinciais em duas províncias dominadas pela minoria sunita. A decisão foi tomada após pedidos de blocos políticos das províncias, segundo o porta-voz do primeiro-ministro, Ali al-Moussawi.

As duas províncias afetadas, Anbar e Ninevah, têm sido o centro dos protestos – que já duram quase três meses – contra o governo xiita. As eleições provinciais estavam marcadas para 20 de abril. As informações são da Associated Press.