A Coreia do Sul anunciou sanções hoje contra dezenas de entidades iranianas e contra cidadãos desse país. As medidas tomadas seguem a linha adotada em junho por uma resolução do Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU), penalizando Teerã por seu programa nuclear.

Uma força-tarefa liderada pelo Ministério das Finanças também pretende impor penas “severas” para o braço coreano do Banco Mellat, o segundo maior do Irã em ativos, por violações das leis sul-coreanas de transações com o exterior. Os detalhes sobre essas violações ainda não foram divulgados.

O governo sul-coreano sancionará 40 companhias e um cidadão iraniano, na linha do aprovado pela resolução 1929 da ONU. O país acrescentou outras 102 entidades ligadas ao Irã e 24 indivíduos a uma lista de proibições para realizar transações estrangeiras com companhias e organizações financeiras sul-coreanas, a menos que elas sejam aprovadas pelo Banco da Coreia.

Seul também anunciou que reduzirá as garantias de exportação para companhias que despacham seus produtos para o Irã. Também não autorizará a abertura de novas agências de bancos iranianos na Coreia do Sul.

Em um comunicado, o governo afirmou que pretende proibir companhias locais de obter investimentos novos na indústria de petróleo e gás do Irã, além de proibir novos contratos de petróleo com o país. Potências lideradas pelos Estados Unidos temem que o Irã mantenha secretamente um programa para produzir armas nucleares, mas Teerã garante ter apenas fins pacíficos. As informações são da Dow Jones.