O governo sírio disse nesta sexta-feira as acusações dos Estados Unidos de que as forças de Bashar Assad usaram armas químicas “estão cheias de mentiras” e acusou o presidente Barack Obama de recorrer a invenções para justificar sua decisão de fornecer armas para os rebeldes sírios.

A decisão dos Estados Unidos de armar os rebeldes – embora não tenham sido divulgados detalhes – marca o aprofundamento do envolvimento norte-americano na guerra civil síria, que já dura dois anos. A medida é anunciada no momento em que as forças de Assad têm conquistado vitórias, expulsou rebeldes de uma importante cidade perto da fronteira com o Líbano e tem lançado ofensivas nas regiões central e norte, tendo também como alvo Alepo, a maior cidade do país.

Autoridades norte-americanas disseram que Washington pode fornecer uma série de armas aos combatentes rebeldes, dentre elas armas pequenas, munição, rifles de assalto e uma variedade de armamentos antitanque como granadas propelidas por foguete e outros mísseis.

Além do aumento da ajuda militar, os Estados Unidos anunciaram na quinta-feira que têm evidências conclusivas de que o regime de Assad tem usado armas químicas, dentre elas o gás sarin, em pequena escala contra forças opositoras. A Casa Branca disse que vários ataques com armas químicas no ano passado mataram cerca de 50 pessoas.

“A Casa Branca emitiu um comunicado cheio de mentiras sobre o uso de armas químicas na Síria, tendo como base informações fabricadas”, diz um documento divulgado nesta sexta-feira pelo Ministério de Relações Exteriores sírio. “Os Estados Unidos estão usando táticas baratas para justificar a decisão do presidente Barack Obama de armar a oposição síria”, diz o comunicado.

A Rússia, que é aliada de Assad, contestou nesta sexta-feira as informações norte-americanas sobre o uso de armas químicas pelo governo sírio contra os rebeldes. O conselheiro de assuntos externos do presidente Vladimir Putin, Yuri Ushakov, disse aos jornalistas que as informações fornecidas pelos Estados Unidos para a Rússia “não parecem convincentes”.

Alexey Pushkov, presidente do comitê de assuntos externos do Parlamento russo, escreveu nesta sexta-feira no Twitter que “os dados sobre o uso de armas químicas por Assad foram forjadas da mesma forma que as mentiras sobre as armas de destruição em massa de Saddam Hussein”, uma referência ao ditador iraquiano deposto.

“Obama está seguindo o mesmo caminho de George W. Bush”, acrescentou ele, referindo-se à afirmação do ex-presidente norte-americano, nunca provadas mas usada para justificar a invasão do Iraque, de que Saddam Hussein tinha armas de destruição em massa. Fonte: Associated Press