O governo da Síria ordenou nesta terça-feira (28) o fechamento de uma escola e de um centro cultural americanos em Damasco em resposta ao bombardeio promovido pelos Estados Unidos contra um povoado sírio próximo da fronteira com o Iraque, informou a agência de notícias do governo sírio. A decisão foi tomada durante reunião de gabinete presidida pelo primeiro-ministro da Síria, Naji Otari. O ministros da Educação e da Cultura foram orientados a implementar as medidas, informou a mídia estatal.

O anúncio vem à tona apenas dois dias depois de a Síria ter denunciado que militares americanos a bordo de quatro helicópteros bombardearam um imóvel num povoado próximo da fronteira com o Iraque, provocando a morte de oito civis desarmados.

Militares americanos alegam que um ativista do grupo extremista Al-Qaeda no Iraque prestes a promover um atentado morreu no bombardeio.

Na reunião de hoje, o gabinete sírio também qualificou o ataque americano como um “ato bárbaro”. “Esse crime brutal representa o ápice do terrorismo de Estado praticado pelo governo americano”, diz a declaração.

Existe uma pequena comunidade americana na capital síria. O centro cultural tem ligação com a embaixada. A escola americana situa-se em Maliki, um bairro de alto padrão de Damasco.

O gabinete sírio acusa os EUA de terem violado a Carta da ONU, a legitimidade e as leis internacionais, informa a agência de notícias.

Em Washington, um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse ter ouvido falar do fechamento da escola e do centro cultural em Damasco, mas não comentaria o assunto porque ainda não houve notificação oficial.