Um suicida usando um uniforme de policial se explodiu nesta segunda-feira (30) dentro de um quartel da polícia em Dund, cidade a 15 quilômetros de Kandahar, no sul do Afeganistão. O atentado deixou cinco policiais e quatro civis mortos, além de oito feridos, informou em comunicado o Ministério do Interior. O ataque ocorre no momento em que os Estados Unidos se preparam para enviar mais 21 mil soldados ao Afeganistão, para apoiar os 38 mil que já estão no país.

O presidente norte-americano, Barack Obama, anunciou na semana passada uma nova estratégia para o Afeganistão e o Paquistão, com o objetivo de “desbaratar, derrotar e desmantelar” a rede terrorista Al-Qaeda. No total, há atualmente 70 mil soldados estrangeiros em território afegão. Kandahar é o berço espiritual do Taleban e continua sendo um foco de militantes. A polícia do Afeganistão é frequentemente alvo de ataques dos militantes.

A Cruz Vermelha advertiu nesta segunda que mais afegãos e paquistaneses correrão riscos nos próximos meses, como resultado da piora da instabilidade política e da violência na região. A organização pediu que os EUA e outros países pensem no sofrimento dos civis no momento em que ampliam a presença militar.

Na terça, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, participará de uma conferência sobre o Afeganistão na Holanda. O enviado norte-americano para Afeganistão e Paquistão, Richard Holbrooke, afirmou que o encontro renovará o compromisso com a segurança futura dos dois países que sofrem com a violência. Aproximadamente 80 nações participarão do encontro de um dia, inclusive o Irã, inimigo de longa data dos norte-americanos.