Veteranos da Marinha russa e especialistas apontaram a superlotação e algum erro humano como prováveis fatores que causaram o acidente em um submarino nuclear que deixou 20 mortos. O submarino de ataque Akula tinha 208 pessoas a bordo no sábado (8), quase o triplo dos 73 membros indicados para ele, quando o acidente ocorreu.

As vítimas morreram por envenenamento de gás freon, que vazou quando o sistema extintor de incêndio acidentalmente foi ligado, disse Sergei Markin, funcionário de uma agência de investigação da Rússia.

O capitão reformado Alexander Pokrovsky afirmou que civis e membros da Marinha estavam a bordo quando o submarino novo era submetido a testes no Mar do Japão. Ele escreveu na internet que esse poderia ser um dos fatores.

Segundo russos que trabalharam com submarinos, os trabalhadores dessa área e os engenheiros geralmente têm pouca experiência na utilização de kits de respiração. Isso também pode ter aumentado o número de vítimas fatais.