A Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou outra ação que contestava a vitória de Barack Obama na disputa presidencial, por causa de sua cidadania. O apelo de Cort Wrotnowski foi negado nesta segunda-feira (15), sem comentários. Wrotnowski argumentou que Obama era também cidadão britânico ao nascer e não poderia ser presidente dos EUA. Para o demandante, como o senador por Illinois tinha dupla cidadania quando nasceu – sua mãe era norte-americana, seu pai queniano tinha cidadania britânica -, ele não poderia ser um cidadão nascido nos EUA.

Pelo menos duas apelações sobre o mesmo caso permanecem na corte. Uma delas sustenta que Obama nasceu no Quênia, não no Havaí. Há na internet afirmações de que a certidão de nascimento de Obama no Havaí, em 4 de agosto de 1961, é uma fraude. Porém as autoridades havaianas já confirmaram a autenticidade dos documentos do presidente eleito.