Os ataques, que ocorreram no Distrito de Charsada, na fronteira com o Afeganistão, são os mais sangrentos desde o dia 1º, quando uma unidade especial americana matou Osama bin Laden, líder da Al-Qaeda. Várias milícias tinham prometido vingar a morte do terrorista. Pelo menos uma das explosões, diante do portão principal do centro de treinamento, foi provocada por um suicida. Os recrutas eram a maioria dos mortos.