O terremoto de magnitude 8,8 na escala Richter e o subsequente tsunami que atingiram o Chile no dia 27 de fevereiro deixaram um déficit de 300 mil residências no país. A afirmação foi feita hoje pelo presidente Sebastián Piñera, empossado ontem. O ministro das Finanças, Felipe Larraín, estimou que o custo total do terremoto para o país ficará entre US$ 20 bilhões e US$ 30 bilhões.

A gestão de Piñera, político de centro-direita, buscará resolver o problema habitacional rapidamente, antes da chegada do inverno na região. Muitas das zonas afetadas pelo terremoto no centro e sul do país sofrem com fortes chuvas durante a temporada mais fria do ano.

O governo estuda várias soluções, entre elas casas pré-fabricadas ou residências subsidiadas pelo governo que podem ser construídas pelos futuros moradores. “Nós estamos avaliando as casas pré-fabricadas porque nossa capacidade de construção está comprometida”, afirmou Piñera, no palácio presidencial. “Essas casas são definitivas, de grande qualidade, usadas nos países desenvolvidos.” As informações são da Dow Jones.