Pelo menos 500 pessoas foram mortas ontem em confrontos na Nigéria, perto da cidade de Jos, no centro do país, afirmou hoje um conselheiro do governo estadual. “Nós conseguimos fazer 95 prisões, mas ao mesmo tempo mais de 500 pessoas foram mortas nesse abominável ato”, afirmou Dan Manjang, por telefone.

As estimativas anteriores apontavam cerca de 200 mortos e ainda não há um número oficial de vítimas. Os ataques são atribuídos em grande parte a nômades muçulmanos criadores de gado. Esse grupo teria atacado o grupo étnico local Berom, predominantemente cristão.

A rádio estatal do Estado de Plateau, no centro nigeriano, também confirmou que 500 pessoas foram massacradas em uma operação noturna em três vilas nas cercanias de Jos. Testemunhas, repórteres e ativistas pelos direitos humanos, porém, afirmam que o número é pouco maior que 200. O chefe da Liga pelos Direitos Humanos em Jos, Shamaki Gad Peter, disse que “pela nossa última contagem, há 202 corpos”. Outro ativista pelos direitos humanos, Shehu Sani, apontou 250 mortos.

“Até o momento, nós entendemos que há cerca de 200 mortos nas três vilas”, afirmou um morador de Dogo Nahawa, Frank Tatgun. Ele disse que não houve confrontos nesta madrugada, após as autoridades reforçarem a segurança. As informações são da Dow Jones.