O total de vítimas civis da guerra no Iraque cresceu em agosto, segundo mês com mais mortes desde que os Estados Unidos aumentaram o número de tropas no país. De acordo com levantamento da Associated Press, 1.809 civis iraquianos foram mortos em agosto, de 1.760 em julho. O mês com o maior número de civis que morreram no Iraque desde o aumento das tropas norte-americanas foi maio, com 1.901. O total de agosto inclui 520 pessoas mortas no último dia 14 em Yazidi, no noroeste do Iraque, com a explosão de quatro caminhões bombas.

No mês passado, 85 militares das forças que ocupam o Iraque morreram, sendo 81 norte-americanos e quatro britânicos. Com isso, as forças de ocupação contabilizam 4.036 militares mortos desde o início da guerra, em março de 2003, dos quais 3.739 eram norte-americanos.

A última semana foi marcada pela declaração unilateral de trégua por seis meses pelo Exército do Mahdi, milícia comandada pelo líder xiita Muqtada al-Sadr. O comando das forças de ocupação norte-americanas elogiou a medida. "Caso seja implementada, a ordem de Al-Sadr tem a perspectiva de permitir que as forças de segurança do Iraque e da coalizão intensifiquem seu foco na Al-Qaeda/Iraque e em proteger a população iraquiana", diz comunicado do comando militar dos EUA.

Apesar disso, tropas dos EUA e do Exército iraquiano atacaram a favela xiita de Sadr City, em Bagdá, na madrugada de hoje. Tanques norte-americanos destruíram vários carros estacionados ao abrir caminho para as duas casas onde suspeitos de ataques a policiais estariam escondidos. Três suspeitos teriam sido detidos.