O ex-primeiro-ministro do Kosovo deve passar por um novo julgamento, informou hoje o Tribunal Penal Internacional (TPI) para a ex-Iugoslávia. Segundo o TPI, com sede em Haia, na Holanda, a absolvição de Ramush Haradinaj, ocorrida há dois anos, foi “um erro da Justiça”. Ele é acusado de assassinato e tortura, durante os conflitos que ocorreram entre 1998 e 1999.

 

O primeiro julgamento de Haradinaj e de dois outros companheiros do Exército de Libertação do Kosovo foi marcado por intimidações, que fizeram com que as testemunhas de acusação ficassem muito amedrontadas para testemunhar, disse o presidente do tribunal, Patrick Robinson.

“O tribunal fracassou em avaliar a gravidade da ameaça que a intimidação das testemunhas representou à integridade do julgamento”, disse. Essa poderá ser a primeira vez em que o tribunal repetirá um novo julgamento em seus 17 anos de história.

Haradinaj foi acusado, juntamente com Idriz Balaj e Lahi Brahimaj, de crimes contra os sérvios e seus partidários durante a guerra travada pelo Kosovo para se separar da Sérvia, em 1998. Dez anos depois, o Kosovo declarou sua independência.

Originalmente, os juízes descartaram todas as acusações contra Haradinaj e Balaj por falta de provas, mas condenou Brahimaj a seis anos de prisão por tortura. Juízes de apelação posteriormente elevaram a pena.