O ex-ditador militar do Paquistão Pervez Musharraf foi libertado de sua prisão domiciliar na quarta-feira e, de acordo com seus advogados, tem permissão para sair do país.

Como chefe do Exército, Musharraf tomou o poder do primeiro-ministro Nawaz Sharif em 1999 e abriu mão da liderança do país sob pressão política em 2008. Em seguida, Musharraf se exilou e só retornou ao Paquistão em março deste ano, com a intenção de participar nas eleições de maio.

Contudo, os tribunais desqualificaram sua candidatura e o colocaram em prisão domiciliar por acusações criminais relacionadas com o seu período no poder. Sharif, o homem que ele derrubou em 1999, foi eleito primeiro-ministro em maio.

O Supremo Tribunal concedeu fiança a Musharraf na quarta-feira, ao agir com um recurso feito por sua equipe legal. A decisão diz respeito a acusações de homicídio decorrentes do assassinato de um líder tribal rebelde, Akbar Bugti, em 2006 – um incidente que renovou a insurgência separatista na província do Baluchistão, de Bugti.

Musharraf já recebeu o direito de fiança em outros dois casos pendentes contra ele – um relacionado com o assassinato da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto em 2008 e outro sobre a prisão de grande parte do judiciário do país em 2007. O governo está considerando um quarto caso, de traição, em conexão com a suspensão da Constituição em novembro de 2007. Apenas o governo pode fazer acusações de traição e não o fez ainda por alegar que a questão precisa ser melhor investigada. Fonte: Dow Jones Newswires.