Um tribunal turco ordenou hoje que 102 pessoas, incluídos pelo menos três comandantes militares da reserva, sejam detidos e fiquem presos até o julgamento, por terem conspirado, em 2003, para derrubar o governo de raízes islâmicas em um suposto complô.

O tribunal informou que o julgamento de todos os acusados começará em 16 de dezembro, na cidade de Silivri, perto de Istambul. Na segunda-feira, o tribunal indiciou 196 pessoas por conspiração, incluídos o general Dogan Cetin, ex-comandante do primeiro Exército da Turquia, o almirante Ozden Ornek, ex-comandante da Marinha, e o brigadeiro Ibrahim Firtina, ex-comandante da Força Aérea.

Todos são acusados de planejar uma série de ações violentas, que criaria o caos no país e abriria o caminho para um golpe militar.