O magnata do mercado imobiliário de Nova York, Donald Trump, se ofereceu hoje para comprar a participação de um grande investidor no local perto do “marco zero”, onde um centro comunitário pretende construir uma mesquita, a dois quarteirões de onde ficavam as torres gêmeas do World Trade Center (WTC), destruídas nos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

Trump se ofereceu a pagar pela participação do investidor Hisham Ekzanaty no prédio em Manhattan mais 25% sobre o que ele pagou no edifício, que poderá ser demolido para dar lugar à mesquita e ao centro islâmico.

“Estou fazendo esta oferta como um morador de Nova York e como um cidadão norte-americano, não porque penso que o local é espetacular em si, porque não é”, disse Trump. “Faço isso porque acabarei com uma polêmica muito séria e inflamada, para acabar com uma situação que, na minha opinião, apenas ficará pior se continuar”, acrescentou.

O magnata disse que sua oferta tem uma condição, a de que os partidários da mesquita só construam um prédio para uso da religião islâmica a apenas cinco quarteirões de distância de onde ficavam as duas torres derrubadas pelo ataque terrorista. Cerca de 2,8 mil pessoas foram mortas nos ataques de 11 de setembro de 2001. O anúncio da construção de uma mesquita e um centro islâmico no local gerou uma enorme polêmica em Nova York e nos EUA.

Elkzanaty, que aportou a maior parte dos US$ 4,8 milhões usados para adquirir o local, em 2009, disse que já recebeu ofertas três vezes superiores ao que pagou no prédio. Assessores de Trump disseram que o magnata já comunicou a proposta a Ekzanaty, que estaria analisando a oferta. As informações são da Dow Jones.