A União Europeia assinou hoje um acordo de financiamento de 7 milhões de euros com a Autoridade Palestina. Além de ajudar os palestinos a “enfrentar o agravamento da crise financeira”, o objetivo da medida é reforçar os laços e promover o desenvolvimento econômico em um contexto de um paralisado processo de paz com Israel.

A diretora de Negócios Estrangeiros da UE, Catherine Ashton, em visita ao primeiro-ministro palestino, Salam Fayyad, disse que o plano de ação europeu foi baseado em “um compromisso comum de aprofundar as nossas relações bilaterais e fortalecer a nossa parceria privilegiada”.

De acordo com a dirigente, o plano prevê, eventualmente, “um acordo de associação de pleno direito” com a UE. Ashton observou ainda que a relação foi baseada em um compromisso com um Estado palestino, o desenvolvimento econômico sustentável, a consolidação orçamentária e “o reforço da coesão social em toda a Palestina”.

O foco do acordo de ajuda será em Jerusalém Oriental, na Faixa de Gaza e na Área C, os 60% da Cisjordânia sob o controle israelense.

Segundo o primeiro-ministro Fayyad, a Área C “é de vital importância para a viabilidade econômica e política” de um futuro Estado palestino. As informações são da Dow Jones.