A União Europeia (UE) pretende impor restrições a diversas pessoas que possuem ligação com forças do Estado Islâmico e grupos militantes e que teriam sido contra a implementação de um processo de paz na Líbia.

A chefe de política internacional da UE, Federica Mogherini, confirmou nesta segunda-feira está considerando implementar as medidas. De acordo com diplomatas, o bloco tem como alvo três pessoas – Saleh Badi, Abderrahman Swehli e Abderrauf al-Manai – todos ligados às forças militantes na área de Tripoli. Entre as restrições podem estar incluídas o congelamento de bens e proibição de viagens.

Mogherini não indicou quando a UE deve decidir sobre as sanções e afirmou que o bloco ainda espera ver todos os lados do conflito apoiando a ideia de uma unidade de governo nacional. Ela afirmou que o bloco já disponibilizou mais de 100 milhões de euros para apoiar a economia do país, caso uma unidade de governo nacional seja implementada.

A Líbia está dividida há quase um ano entre um parlamento eleito no lado leste e um governo islâmico apoiado por milícias que controlam a capital do país. Sem uma autoridade central, a Líbia tem registrado um aumento nas atividades extremistas, incluindo ações do grupo Estado Islâmico e de milícias ligadas a Al-Qaeda, além de local central de imigração ilegal e tráfico de pessoas. Fonte: Dow Jones Newswires.