Mais dois países enviarão, em breve, tropas para a força de paz que protege o problemático governo da Somália contra insurgentes ligados à Al-Qaeda, informou hoje um integrante da União Africana (UA).

Djibuti e Guiné vão enviar tropas para Mogadiscio, disse o presidente da comissão da UA, Jean Ping. A missão está autorizada a enviar até 8 mil soldados, mas Ping disse que o número pode eventualmente superar os 10 mil. Atualmente, a UA mantém 6 mil tropas de Uganda e do Burindi na Somália.

A anúncio do novo envio foi feito durante uma reunião dos líderes do órgão em Uganda, país que sofreu um duplo ataque com bombas no dia 11 de julho, durante a final da Copa do Mundo, que matou 76 pessoas. O Al-Shabab, grupo militante mais temido da Somália, assumiu a responsabilidade pelos ataques e disse que eles foram uma retaliação pela morte de civis causada por tropas da UA.