Brasil, Uruguai e Argentina não chegam a uma posição comum e o G-20 (grupo de países emergentes) não consegue fechar a nova proposta para as negociações agrícolas da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Na segunda, antes de partirem para Potsdam (Alemanha) para cinco dias de debates, os delegados brasileiros participaram de uma reunião com os demais diplomatas do G-20, em Genebra (Suíça), em que ficaram demonstradas as contradições do bloco.

O objetivo do Brasil era conseguir que o grupo flexibilizasse sua posição nas negociações agrícolas para tentar um acordo com os demais países. Mas os governos do Uruguai e da Argentina deixaram claro que não vão aceitar reduzir a ambição do bloco em seus pedidos de abertura aos países ricos.

O resultado é que um novo documento com a posição do G-20 não pôde ser aprovado. Ao final da reunião, diplomatas de Cuba, da Venezuela e do Equador se queixavam da falta de transparência do Brasil, único país da América Latina a participar das negociações com Estados Unidos, Europa e Índia, o grupo de elite da OMC.