O ex-ministro da Defesa venezuelano, Raúl Baduel – opositor do governo de Nicolás Maduro -, teve liberdade condicional concedida nesta quarta-feira, de acordo com sua defesa, e deve cumprir o resto da pena em casa. A decisão aconteceu um dia depois de um tribunal conceder liberdade condicional ao também opositor Daniel Ceballos, ex-prefeito, condenado por apoiar manifestações contra Maduro.

Ex-aliado do então presidente Hugo Chávez, Baduel ajudou a reconduzir o líder venezuelano ao poder após tentativa de golpe, em 2002. Ele foi condenado a oito anos de prisão e cumpriu seis em regime fechado, acusado de corrupção. Oposicionistas do regime alegam que as acusações foram forjadas para punir Baduel por romper com Chávez.

Segundo analistas, a decisão é uma tentativa do presidente Nicolás Maduro de aliviar a pressão sobre o governo – que luta contra a crise econômica – e vem recebendo críticas do governo dos EUA e de grupos de direitos humanos que o acusam de cometer abusos e manter presos políticos.

“É um sinal positivo de Caracas, mas eu não seria ingênuo ao dizer que não existem segundas intenções”, disse o analista de risco da IHS, Diego Moya-Ocampos.

Com as pesquisas apontando perda de intenções de voto para o Partido Socialista nas eleições parlamentares de dezembro, autoridades vem impedindo opositores de disputar os cargos. O cenário alimenta preocupações de que o governo de Maduro esteja desviando a atenção enquanto controla as instituições eleitorais em seu favor. Fonte: Dow Jones Newswires.