A Guarda Nacional da Venezuela confiscou mais de cem toneladas de farinha de trigo, arroz e outros gêneros alimentícios da Empresas Polar. O governo local alega que a companhia estava estocando irregularmente o produto, informou hoje o jornal local “El Nacional”. A medida foi a mais recente na longa batalha entre o governo do presidente Hugo Chávez e a Polar, uma das mais populares companhias privadas do país. Chávez já ameaçou nacionalizar a empresa várias vezes.

O comandante da Guarda Nacional, Luis Bohorquez, disse que a comida foi confiscada após se descobrir que a Polar estava fraudando sua contabilidade de estoques, para parecer que tinha menos alimentos que de fato possuía. A comida será entregue aos supermercados mantidos pelo governo “para garantir que ela chegue ao povo venezuelano”, afirmou Bohorquez, segundo o diário.

A Venezuela sofre nos últimos meses com faltas esporádicas de itens como leite, carne, açúcar, café e farinha. O governo tem mantido controles estritos sobre os estoques das companhias, tanto no setor público quanto no privado. Os críticos do governo afirmam que a escassez de alimentos ocorre pela opção pelo socialismo do governo, que, na opinião deles, reduz a produção de alimentos, conforme a produção fica cada vez mais nas mãos do setor público.

Chávez afirma que o problema está no setor privado, em companhias como a Polar, que, segundo ele, exportam secretamente produtos para lucrar mais, em vez de vendê-los na Venezuela, onde os preços são controlados.

O chefe do setor de Relações Públicas da Polar, Jose Antonio Silva, qualificou a ação do governo como “injusta e arbitrária”. Ele disse que a variação modesta entre o inventário e o estoque é inevitável, por causa do fluxo contínuo da produção.

Meses atrás, o presidente ordenou a expropriação de várias instalações da Polar em Barquisimeto, cidade no centro-oeste do país. A companhia contestou judicialmente a medida e até agora mantém o controle dessas instalações. O confisco de alimentos, ontem, ocorreu em uma outra área de propriedade da companhia, também em Barquisimeto. As informações são da Dow Jones.