O vice-presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, anunciou nesta terça-feira a expulsão de um adido da Embaixada dos Estados Unidos em Caracas por causa de reuniões com oficiais do exército e planos de desestabilização do país.

 

Maduro identificou o norte-americano como um adido da Força Aérea lotado na embaixada e o acusou de espionar o exército venezuelano. O adido em questão, cuja identidade não foi divulgada, tem 24 horas para deixar o país, afirmou o vice-presidente.

 

No mesmo pronunciamento, Maduro disse que as autoridades venezuelanas discutiram em reunião realizada hoje meios de combater complôs contra o governo e acusou “inimigos” do presidente Chávez de estarem por trás do câncer que o acomete. As informações são da Associated Press.