A onda de violência que começou em Johanesburgo agora se estende à Cidade do Cabo, onde moradores de regiões pobres atacam casas e negócios de imigrantes, principalmente vindos do Zimbábue e da Somália.

O presidente sul-africano, Thabo Mbeki, já ordenou o envio de tropas do exército para ajudar a polícia nos locais de conflito.

Na Cidade do Cabo, os atentados mais violentos ocorreram nos subúrbios de Knysna, onde a polícia teve de evacuar centenas de imigrantes.

Um somali morreu, mas até agora as autoridades não informaram se foi por causa de um ataque xenófobo.

A onda de violência começou há dez dias, nos subúrbios de Johanesburgo. Desde então, pelo menos 42 pessoas morreram e 25 mil foram obrigadas a abandonar suas residências.

Cerca de 500 pessoas estão presas.