A petroleira estatal da Bolívia, Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) aplicou um plano de austeridade que levou à demissão de mais de cem trabalhadores e um ajuste salarial ocasionado pela queda das receitas da venda de gás.

Em uma conferência conjunta, o ministro de Hidrocarbonetos, Luis Sánchez, e o presidente da YPFB, Óscar Barriga, informaram hoje que o plano era para fortalecer a saúde econômica da empresa. “A Yacimientos não está mal, a Yacimientos gerou US$ 1,8 bilhão. Não estamos mal apesar da pior crise, o que queremos é fazer uma reengenharia, sermos mais austeros para que tenhamos maiores rendimentos.

Barriga explicou que haverá um ajuste nos salários de acordo com a “nova realidade da empresa”. “Não é o mesmo um preço de gás a US$ 100 por barril e que agora está a menos de US$ 50”, disse Sánchez.

No entanto, os trabalhadores exigem desde a semana passada um aumento de 7%. O secretário-executivo da Federação de Trabalhadores Petroleiros da Bolívia, José Domingo Vásquez, disse que os trabalhadores estão em “estado de emergência” e disse que protestos acontecerão nos próximos dias. Fonte: Associated Press.