O comandante do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas dos Estados Unidos, general Peter Pace, declarou hoje em Jacarta que não há evidências concretas de que o governo iraniano estaria fornecendo munições perfuradoras de blindagem a rebeldes iraquianos, rechaçando declarações públicas de outros comandantes militares americanos. Em conversa com jornalistas na capital indonésia, Pace esclareceu que forças americanas investigaram ataques, detiveram cidadãos iranianos e apreenderam materiais bélicos produzidos no Irã, "mas isso não significa que o governo iraniano esteja diretamente envolvido" nisso.

"O que se pode dizer apenas é que artefatos produzidos no Irã estão sendo usados no Iraque em ataques contra soldados da coalizão", prosseguiu o comandante americano.

As declarações de Pace devem colocar em xeque a credibilidade das recentes alegações de integrantes do alto escalão das Forças Armadas e do governo americanos de que o regime iraniano estaria diretamente envolvido no fornecimento de armas a rebeldes iraquianos.

A denúncia americana já foi contestada oficialmente pelo governo do Irã e tem sido questionada com base no fato de os EUA terem levantado acusações que mais tarde não se confirmaram para justificar a invasão do Iraque em 2003.