O presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti, disse há pouco, sobre a possibilidade de eventual impeachment do presidente Lula, que "eu espero que não aconteça. O que precisamos é de estabilidade no País, não vejo motivos para impeachment. Mas, se ocorrer, vou cumprir a Constituição, assumir e fazer as eleições. Mas tenho certeza, quero dar minha palavra de fé: o Brasil pode ficar tranqüilo, o presidente da Câmara não fará nada para que o impeachment aconteça".

Em entrevista após reunião com dirigentes da Firjan, Severino foi indagado se acredita que o presidente Lula sabia das denúncias de corrupção no seu governo. Severino respondeu "eu prefiro ficar com os que acreditam que ele não sabia e esperar que se prove alguma coisa real. Se ele participou, temos que puni-lo também".

À pergunta de como Lula seria punido nesse caso, Severino disse: "o impeachment". Ele foi indagado também sobre se faltou alguma informação no pronunciamento feito pelo presidente Lula na última sexta-feira e respondeu que "ele começou, não terminou (o pronunciamento)". Questionado sobre o que falta ser dito por Lula, Severino afirmou: "o que a sociedade quer ouvir". E emendou que Lula pediu perdão com humildade e, para ele, essa é uma prova de que o presidente da República está sentindo a traição. "Temos que dar um crédito de confiança ao presidente. Lula foi traído."