Ou o Corinthians paga Nilmar ou o jogador vai procurar outro clube. As três horas de reunião entre o presidente Alberto Dualib e os representantes do atacante não foram suficientes para definir a situação do jogador. Ele já está fora da estréia do Corinthians no Campeonato Paulista, contra a Ponte Preta.

Orlando da Hora, procurador do Nilmar, quer os R$ 3,5 milhões de luvas e mais R$ 1,5 milhão de comissão pela negociação que trouxe Nilmar do Lyon ao Parque São Jorge. O clube brasileiro vai mandar uma nova representação à Fifa assegurando ter interesse em Nilmar. E tentará fugir da dívida de 8 milhões de euros (R$ 22 milhões) que a MSI tem com o Lyon.

Haverá outra reunião na segunda-feira. Enquanto isso Nilmar não voltará aos treinos em Jarinu com o restante do time. Ficou acertado também que o Corinthians trocará de advogado junto à Fifa. Marcos Motta, que era contratado da MSI, será substituído por Paulo Rogério Amoritty.

?Foi simples: nós pedimos para o Corinthians assumir tudo que estava combinado com a MSI. O presidente Dualib aceitou. E também mandar uma carta para a Fifa deixando claro o interesse do Corinthians no Nilmar. Vamos conversar novamente na segunda-feira para tentar acertar os últimos detalhes. Queremos ter a certeza de que Nilmar vai receber o que está sendo prometido desde agosto. Enquanto isso não acontece, o Nilmar ficará em casa. Não vai treinar com o grupo de novo enquanto não estiver tudo certo?, disse o advogado Breno Tannuri.

?O Nilmar é um menino muito justo e não iria querer voltar a treinar e até atrapalhar os planos do Leão. De nada adianta preparar o time com ele e depois não haver acerto financeiro. ?, disse o procurador Orlando da Hora.

A grande dúvida é de onde o Corinthians irá conseguir o dinheiro. As férias dos jogadores estão atrasadas e o clube ainda deve US$ 600 mil ao Yokohama Marinos pelo empréstimo de Magrão. ?O dinheiro não foi pago, mas pelo menos eu posso garantir que o Magrão não vai abandonar o clube. Ele vai continuar treinando. Temos certeza que o presidente Dualib vai acertar o que deve?, disse, por meio de sua assessoria de imprensa, o empresário Marcel Figer.

No Parque São Jorge os comentários são que o dinheiro não foi pago ao clube japonês porque o empresário Juan Figer não teria repassado toda o valor pela venda de Fernando Baiano. ?Nós não devemos um centavo ao Corinthians. Nada?, rebate Marcel Figer.