A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT está ampliando o acervo de normas para o setor de petróleo e gás. Ela vai assinar na próxima semana convênio com a Petrobras e o Centro para Inovação e Competitividade(CIC).

O presidente da ABNT, Pedro Buzatto Costa, afirmou hoje que "a Petrobras, com a força que ela tem de seu poder de compra, acabou prestando um serviço muito grande à indústria nacional e fez, de início, uma série de normas de seu interesse para poder disputar o mercado".

A partir do convênio a ser firmado no próximo dia 6, as normas técnicas Petrobras (NTP) serão estudadas uma a uma e ganharão um caráter mais amplo, porque passarão a ser reconhecidas nacionalmente. "Por enquanto, elas são da Petrobras atendendo a uma necessidade como companhia exportadora. O que se tem que fazer é dar o caráter nacional a essas normas e elas deixam de ser de uma empresa e passam a ser brasileiras", revelou o presidente da ABNT.

A expectativa de Buzatto é que o processo de transformação das normas específicas da Petrobras em um parâmetro nacional possa ser concluído dentro de seis meses a um ano. Ele destacou que esse prazo poderá ser alcançado "se houver uma adesão completa da indústria. Isto é, se houver interesse nisso".

Buzatto admitiu que as normas da Petrobras, uma vez ganhando a abrangência nacional, podem também, no futuro, vir a ser adotadas no âmbito do Mercosul, por exemplo. "É evidente", afirmou. Ele lembrou que a ABNT faz parte do Mercado Comum do Cone Sul. "Então, quando as normas são do interesse da Associação Mercosul de Normalização (AMN), elas passam a ser setoriais, ou seja, deixam de ser uma norma brasileira para ser uma norma de toda a região da América".

Fundada em 28 de setembro de 1940, a ABNT tem a missão de prover a sociedade brasileira de conhecimento sistematizado, por meio de documentos normativos, que permitam a produção, comercialização e uso de bens e serviços de forma competitiva e sustentável nos mercados doméstico e internacional, contribuindo para o desenvolvimento científico e tecnológico, a proteção do meio ambiente e a defesa do consumidor.