O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, confirmou há pouco o coordenador-geral da equipe de transição do governo eleito, Antônio Palocci Filho, como ministro da Fazenda. “Em função de saber que o Brasil está na UTI, eu coloquei um médico para ser ministro da Fazenda e para coordenar a equipe de transição”, afirmou, durante pronunciamento no National Press Club, ao ser indagado sobre a preocupação de bancos e investidores com a demora na nomeação do ministério, especialmente do presidente do Banco Central (BC) e do ministro da Fazenda.

“Tenho me reunido tanto com os banqueiros, que não posso crer que eles estejam preocupados com a equipe econômica”, afirmou. Lula ressaltou novamente que não cederá à pressão daqueles que chamou de “insistentes e impacientes”. “Os mesmos insistentes e impacientes queriam que eu indicasse, no primeiro dia após as eleições, o presidente do Banco Central e o ministro da Fazenda. Não queriam nem que eu festejasse a minha vitória. Se eu ceder a pressões para indicar ministros, eu passarei o governo todo cedendo a pressões. Acho que não é justo e nem correto”, afirmou.

Lula disse que o tempo e o momento de indicar o ministério é do governo. “É o tempo que eu entender que seja importante do ponto de vista político anunciar. Podem ficar tranqüilos, que eu saberei ter paciência com os impacientes até o momento em que eu achar que surgiu uma oportunidade. A posse é no dia 1.º de janeiro”, afirmou.