O Governo do Estado do Paraná, através da Superintendência da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), vem esclarecer à comunidade portuária e público em geral, sobre o incidente ocorrido na última sexta-feira, dia 12 de agosto, que ocasionou a suspensão da navegação no canal de acesso aos portos de Paranaguá e Antonina, durante 11 horas, pela Capitania dos Portos do Estado do Paraná, em função de falhas no balizamento daquela área marítima.

De acordo com o constatado, avarias nas bóias de sinalização, impossibilitavam otráfego de navios com destino aos cais dos portos. A Superintendência da APPA, considerando que era do conhecimento de todos que um ciclone aconteceu na baía de Paranaguá, causando danos e dificuldades à navegação, acatou plenamente e considerou a atitude do Senhor Capitão dos Portos do Estado do Paraná, Capitão de Mar-e-Guerra Francisco dos Santos Moreira, correta e precisa. Desde o acontecimento e, considerando que cabe à Marinha a fiscalização dos procedimentos que dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário brasileiro, de imediato acionou a empresa Tecnimport, contratada por esta APPA, para monitoramento e reparos quando se fazem necessários e oportunos.

De acordo com o laudo apresentado, a bóia 2 NRORD 3528 encontrava-se com o equipamento de fundeio, concluindo-se que a mesma foi arrastada, inclusive por apresentar marcas no seu flutuante;

A bóia 1 A NRORD 3529.2 – provavelmente abalroada, tendo em vista avarias na lanterna e painel solar e marcas no flutuante;

Bóia 2 A NRORD 3529.3 – provavelmente abalroada, marca de tope avariada, suporte da antena avariado, antena desaparecida, guarda lanterna avariada e dois painéis quebrados e flutuante com marcas.

Diante destas constatações e de informações de que, apesar das condições inviáveis de navegação em função do mar muito agitado, seis embarcações teriam saído da baía de Paranaguá, a APPA oficiou ao Senhor Capitão do Portos, para que sejam apuradas as responsabilidades sobre quem autorizou a navegação para esses navios, no período em que o ciclone se abateu sobre a mesma baía e se havia práticos na condução dos mesmos.

Portanto, esclarecemos que a APPA atendeu prontamente as exigências feitas pela Capitania dos Portos e, apesar de ondas com mais de um metro de altura, a equipe da empresa Tecnimport, fiscalizada por técnicos portuários, restabeleceu a navegabilidade, normalizando as condições do tráfego marítimo, por volta das 21 horas da noite de sexta-feira, impedido desde as 10 horas da manhã do mesmo dia. Concluídos os trabalhos, o Senhor Capitão dos Portos determinou a reabertura das condições de tráfego. Temos a informar, ainda, que as operações de atracação e desatracação de navios está normalizada, com o Porto de Paranaguá operando ininterruptamente.

Paranaguá, 14 de agosto de 2005.

EDUARDO REQUIÃO DE MELLO E SILVA
Superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina – APPA