? Alunos de escolas

particulares obtêm

médias maiores no Enem

O resultado das avaliações realizadas em 29 de agosto último, no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), apresentou a obtenção de médias mais expressivas por parte de alunos advindos de instituições privadas de ensino.

Uma das maiores discrepâncias entre o ensino público e privado é encontrada no Distrito Federal, onde a diferença de pontuação obtida demonstra uma variação média superior a um quarto do valor total do exame objetivo, em favor dos alunos formados em escolas particulares. Numa escala de 0 a 100, os estudantes do ensino público brasiliense alcançaram média de 43,15, enquanto aqueles oriundos da rede privada chegaram à média de 68,36.

O Piauí demonstrou diferença ainda maior, de 27,32 pontos, em prol das instituições particulares.

O estado com maior equilíbrio foi o Rio Grande do Sul, com variação de 10,52 pontos, na parte objetiva do exame.

? Mapeando sentimentos

Os pesquisadores Marcelo Peruzzo (FGV management) e Milton Malanski (consultor independente), lançam no dia 13 de novembro o livro O Caminho do Perdão, cujo objetivo é traçar o perfil da população brasileira em relação a um dos sentimentos mais comuns aos seres humanos a mágoa.

Os resultados obtidos a partir do levantamento demonstram que relações com namorados e pais ocupam, respectivamente, o primeiro e o segundo lugar entre os causadores desse sentimento.

Professores e educandos não aparecem como agentes geradores de mágoa, ao menos nessa pesquisa.

? Honoré de Balzac

no Oriente

Durante a Revolução Cultural Chinesa, o líder comunista Mao Tsé-Tung determinou, entre outras medidas de exceção, eliminar das bibliotecas livros considerados "símbolo da decadência ocidental".

Mas o ano de 1968 foi um pouco diferente para três jovens chineses que, ao abrir uma velha e empoeirada mala, se depararam com obras de alguns "malditos", ao menos sob os olhos da República Popular da China – Balzac, Dumas, Flaubert, Baudelaire, Rousseau, Dostoievski, Dickens, todos disponíveis, à revelia do exército vermelho!

O romance que relata essa história, Balzac e a Costureirinha Chinesa, foi lançado em 2000 e escrito pelo chinês Dai Sijie. Obteve comercialização surpreendente, e chegou rapidamente aos 250 mil exemplares vendidos.

Em 2002, o próprio Dai Sijie dirigiu as filmagens da versão cinematográfica de sua obra, cujo sucesso foi atestado no Festival de Cannes, onde o filme abriu uma das sessões da amostra.