Apesar das ações do governo federal para estimular o acesso ao crédito, especialmente às populações de baixa renda, o volume de recursos disponíveis para financiamento, especialmente os de longo prazo, ainda está abaixo do observado em outros países, como Chile, Portugal, Coréia do Sul e Alemanha. A avaliação foi feita hoje pelo presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Mattoso.

Segundo artigo de Mattoso divulgado pela Caixa, o presidente da instituição afirma que o Brasil está em desvantagem também em relação aos investimentos do mercado de capitais, que, segundo ele, têm sido menores que os de outros países. “Como resultado, o financiamento do investimento no país permanece muito dependente dos recursos próprios das empresas”, diz.

O presidente da Caixa alega também que, mesmo depois de duas décadas, a renda per capita do brasileiro cresceu somente 9%, estimulando a péssima distribuição de renda e o conseqüente aumento da violência no país.

Apesar dessa avaliação, o presidente da Caixa defendeu a manutenção da atual política do banco e reafirmou que a instituição vai continuar trabalhando para a melhoria da qualidade do crédito – incluindo o crédito imobiliário – a taxas de juros mais baixas, especialmente para clientes de menor poder aquisitivo, aposentados e pensionistas, sem aumentar os riscos ou prejudicar a qualidade da carteira de crédito da instituição.

“O direcionamento de um maior volume de recursos para o setor imobiliário funcionará como importante estímulo para a construção civil e, portanto, para a recuperação no nível de investimentos da nossa economia”, afirma Jorge Mattoso no artigo.