O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, decidiu nesta sexta-feira (11) lançar uma ofensiva terrestre ampliada no sul do Líbano após manifestar insatisfação com o acordo de cessar-fogo que está surgindo, de acordo com fontes do governo. Olmert e o ministro da Defesa, Amir Peretz, tomaram a decisão após um encontro de quatro horas. Peretz instruiu os militares a lançar a ofensiva, de acordo com autoridades.

Segundo o porta-voz do Ministério de Relações Estrangeiras de Israel, o governo resolveu implementar uma decisão de gabinete, na quarta-feira, para conceder ao exército permissão para a ofensiva maciça para "lidar com as posições do Hezbollah no sul do Líbano, de onde mísseis continuam sendo disparados contra a população civil de Israel". O porta-voz, no entanto, afirmou que Israel ainda está aberto a negociar um solução, enquanto o Conselho de Segurança da ONU se prepara para votar uma proposta de acordo de cessar-fogo.

"Nossa ação não exclui a opção diplomática. Ao contrário, nós estamos acompanhando de perto os desdobramentos em Nova York. Mas a diplomacia não produziu nenhum resultado concreto e cabe aos governos defenderem seus cidadãos", disse o porta-voz. As informações são da Dow Jones.