A política de combate à aids do Brasil será a base da nova política da Organização Mundial da Saúde (OMS), a ser adotada nos próximos cinco anos. Ontem Jong Wook Lee, diretor eleito da OMS e que toma posse no segundo semestre, pediu ao ministro da Saúde, Humberto Costa, que o chefe do programa de aids do governo, Paulo Teixeira, seja cedido para formular a nova política de combate à aids no mundo, com base na experiência brasileira. O convite surpreendeu a delegação brasileira, em Genebra para a Assembléia Mundial de Saúde. Teixeira será liberado para trabalhar na equipe de transição da OMS. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)