O primeiro balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), divulgado nesta segunda pelo Palácio do Planalto, informa que 91 6% das 1.646 ações monitoradas pelo Comitê Gestor do programa, estão com andamento satisfatório. Desse total, 52,5% avançam em ritmo adequado, com o cronograma em dia, e eventuais riscos administrados. Já 39,1% precisam ser acompanhados com atenção, de acordo com o balanço do governo, pois estão com pequeno atraso, ou foram identificados riscos potenciais, mesmo com o cronograma em dia.

Segundo o balanço, 8,4% das ações restantes enfrentam dificuldades preocupantes, com atraso significativo ou elevado risco, independente do cronograma. Das 1.646 ações monitoradas, 734 são estudos de projetos e 912 são obras. O documento destaca que o PAC proporcionou o aumento da confiança no futuro da economia e começou a criar um ambiente favorável ao crescimento, além de despertar o espírito empreendedor do empresariado

Para o governo, os resultados já aparecem na melhoria das expectativas e com a consolidação de um quadro positivo de crédito, investimento e atividade econômica. Para exemplificar, o balanço aponta que houve expansão significativa nos índices de confiança da indústria, queda nas taxas de juros e aumento do crédito bancário. Para o governo, o balanço também é positivo em relação ao andamento das Medidas Provisórias e projetos de lei encaminhados ao Congresso nacional, que compõem o PAC.

Segundo o balanço, a Câmara dos deputados já votou todas as nove MPs relacionadas ao PAC, das quais duas já foram apreciadas também pelo Senado. O documento também destaca que o plenário da Câmara aprovou alterações na Lei das Licitações e a Comissão Mista de Orçamento já apreciou projeto que altera a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), acrescentando R$ 6,7 bilhões ao PAC no orçamento da União este ano, e reduzindo de 20% para 0,1% as contrapartidas dos municípios para obras de saneamento e habitação.