O governo descuidou da prevenção aos desastres provocados pelas fortes chuvas que tradicionalmente ocorrem nessa época do ano, indica levantamento realizado pelo site "Contas Abertas", que se dedica a analisar a aplicação dos recursos do Orçamento Federal. De acordo com o órgão, dos R$ 110,36 milhões autorizados no Orçamento 2006 para investimentos em "Prevenção e Preparação para Emergências e Desastres", como os que vêm acontecendo na região Sudeste, o governo executou apenas 33,2% (R$ 36,74 milhões). A maior parte da despesa executada (R$ 28,64 milhões) foi de restos a pagar – despesas relativas aos anos anteriores pagas somente em 2006.

"Já diz o ditado, ‘é melhor prevenir do que remediar`, mas as autoridades parecem não ligar muito para isso. O caos se repete a cada ano, independente do governo ou do partido no poder", informa o site. Segundo o site, o governo aplicou no ano passado R$ 128,37 milhões, o correspondente a 50,4% da dotação autorizada para o programa Resposta aos Desastres. "Nota-se, portanto, que o governo tem sido mais eficaz na recuperação dos danos causados por desastres, ainda que a execução orçamentária deste programa também não seja das mais animadoras.

Dentro do programa de prevenção, a rubrica que mais recebeu recursos foi "Apoio a Obras Preventivas de Desastres", como a canalização de córregos, com R$ 23,21 milhões, cerca de 25% dos R$ 88,37 milhões. O segundo maior investimento ocorreu na rubrica "Construção de Reservatórios para o controle de cheias", com R$ 7,65 milhões. Esse item não tinha dotação orçamentária para 2006 e os gastos realizados foram decorrentes de restos a pagar. Já no programa "Resposta aos Desastres", R$ 32,95 milhões foram investidos em "Recuperação de Danos" e R$ 16,19 milhões em "Socorro e Assistência às pessoas atingidas por desastres". O maior gasto (R$ 59,82 milhões) foi todo de restos a pagar.