São Paulo (AE) – O Palmeiras, sem Estevam Soares, demitido na terça-feira, jogou como nas últimas semanas: mal. E perdeu em pleno Parque Antártica para o Mogi Mirim por 2 a 1. As mudanças do técnico interino Wilson Coimbra, o Macarrão, não deram resultado e o time amargou a quarta partida consecutiva do Campeonato Paulista sem vencer. Com apenas 10 pontos, 9 atrás do líder São Paulo, a equipe vê o sonho do título estadual bem distante, praticamente inalcançável. O Mogi, por outro lado, chega à segunda posição, com 18.

Os torcedores, que compareceram em pouco número ao estádio – menos de 5 mil -, ficaram furiosos com o desempenho palmeirense. E não pouparam vaias. Chamaram Coimbra de "burro" pediram reforços e gritaram "time sem vergonha, time sem vergonha". A diretoria, preocupada com a situação, trabalha para contratar um técnico o mais rápido possível.

Wilson Macarrão escalou o time com três zagueiros, Gabriel, Daniel e Nen, e deu a Cristian a função de armar as jogadas para os atacantes Ricardinho e Osmar. Não teve muito sucesso. Pode-se mudar esquema, pode-se apostar em um ou outro jogador novo, mas é difícil esperar grandes exibições do Palmeiras. É verdade que são pouquíssimos os times do futebol brasileiro com elenco de primeira linha, mas falta um atleta acima da média à equipe de Parque Antártica, falta um meia que dê criatividade. As vitórias são obtidas na base da transpiração raramente na inspiração.

O Palmeiras, que não contou com Magrão, contundido, voltou a mostrar as deficiências das últimas semanas e, embora tenha atacado e criado algumas boas oportunidades, não jogou o suficiente nem para conseguir um empate.

O jogo começou equilibrado e foi paralisado logo aos 9 minutos, por causa de falhas no sistema de iluminação do estádio. Depois de 35 minutos, foi reiniciado e, no primeiro lance, o Mogi abriu o placar, com Osmar, de cabeça, após cobrança de falta. "Ficamos discutindo essa jogada por meia hora, durante o tempo em que a partida ficou parada, mas acabamos levando o gol", lamentou o goleiro Sérgio. "Falhamos", completou o zagueiro Daniel.

Sem muita organização, os palmeirenses saíram em busca da igualdade e poderiam ter marcado num chute de Bruno, bem defendido por João Gabriel.

O panorama do jogo foi o mesmo no segundo tempo. O Palmeiras manteve-se no ataque, porém com pouca objetividade. O Mogi, nos contra-ataques, levava algum perigo. Num deles, conseguiu um pênalti. Fábio Costa cobrou bem e fez 2 a 0, aumentando ainda mais a ira dos torcedores. Ricardinho, também de pênalti, descontou, mas foi só. No domingo, o Palmeiras busca a reabilitação no clássico contra o São Paulo.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 1 X 2 MOGI MIRIM

Gols: Mendes aos 9 minutos do primeiro tempo; Fábio Costa (pênalti) aos 29 e Ricardinho (pênalti) aos 34 do segundo.

Palmeiras: Sérgio; Gabriel (Adriano Chuva), Daniel e Nen; Bruno, Alceu, Claudecir (Thiago Gentil), Cristian e Lúcio; Ricardinho e Osmar (Marcel). Técnico: Wilson Coimbra (interino).

Mogi Mirim: João Gabriel; Fábio Braz, Marcelo Miguel e Zé Roberto; Tiago Mattos, Marcelo Rosa, Tozo, Diguinho (Anderson) e Jean; Fábio Costa (Gabriel) e Mendes. Técnico: José Carlos Serrão.

Juiz: Romildo Correia.

Cartão amarelo: Daniel, Osmar, Fábio Braz, Marcelo Miguel, Zé Roberto, Tiago Mattos e Mendes.

Renda: R$ 56.052,00.

Público: 4.483 pagantes.

Local: Estádio Palestra Itália, São Paulo (SP).