O grande esforço realizado em 2003, um ano de restrições, está sendo compensado nos processos seguintes. Chegou-se a 1,5 milhão de empregos em 2004 e ao crescimento de 5% do PIB – Produto Interno Bruto. A afirmação foi feita hoje pelo ministro da Fazendo, Antonio Palocci, em entrevista.

Ele disse que o Tesouro Nacional e o Banco Central aproveitaram as oportunidades para melhorar as contas. Observou que, no entanto, o processo de crescimento não é linear. "Ele tem meses mais fortes, trimestres mais fortes. É assim que ocorre em todos os países", ponderou, assinalando que, dessa forma, "esse ano o crescimento deve ser menor do que o do ano passado e, no próximo ano, o crescimento vai ser muito forte também".

Na opinião de Palocci, a inflação mais baixa vai para o bolso do trabalhador. Segundo ele, ao olhar o preço de cesta básica, o poder aquisitivo do salário mínimo e o salário do trabalhador, pode-se constatar que existe uma melhora e essa melhoria é ainda maior com a inflação controlada.

Ele lembrou que a queda da inflação beneficia os trabalhadores provocando, ainda, aumento de renda.