Valência, Espanha – O papa Bento XVI destacou o caráter "insubstituível" da família fundada nos padrões do casamento entre homens e mulheres, no seu discurso na cidade espanhola de Valência, manifestando sua oposição às medidas liberais sancionadas pelo governo do socialista de José Luis Rodríguez Zapatero. As leis permitem casamento entre gays e aceleram os trâmites de divórcio.

Com Zapatero ao seu lado, o papa defendeu que "a família é a única instituição nos planos de Deus". Bento XVI está realizando a terceira viagem internacional de seu papado. Ele ficará na Espanha por apenas 26 horas para participar de um evento sobre famílias.

As relações entre o governo espanhol e o Vaticano têm sido tensas e os planos para o encontro de Zapatero com o papa – realizado na residência do arcebispo da Espanha – só foram confirmados poucas semanas antes da viagem.

Fontes do governo espanhol descreveram o encontro do papa com Zapatero como "extraordinariamente cordial" e declararam que o pontífice não fez nenhuma crítica ao governo. Segundo essa fontes, eles discutiram questões como "paz, família, imigração, o futuro da Europa e, particularmente, a situação na África. O Vaticano declarou que não tinha planos de divulgar nenhum comunicado. Os jornalistas não puderam participar do encontro, mas a TV espanhola mostrou uma breve imagem da reunião, com Zapatero dando ao papa uma moderna, enquanto o Bento XVI retribuiu com uma cópia do código do Vaticano. Além da Espanha, a Holanda, Bélgica e Canadá também legalizaram o casamento entre homossexuais.

Em uma cidade decorada com bandeiras e balões nas cores amarela e branca do Vaticano e tomada por fiéis de todos os lugares do mundo, o pontífice também rezou pelas 42 pessoas mortas no descarrilamento de um trem do metrô, na segunda-feira. O acidente cobriu com um manto de tristeza a primeira visita do atual chefe da Igreja Católica à Espanha.

"Pedimos a Deus que confortem aqueles que ficaram e aqueles que nos deixaram", declarou o papa, em um discurso proferido do lado de fora da estação onde ocorreu o acidente e que recebe o nome de Rua de Jesus, uma via nos arredores. A multidão se silenciou para ouvir as palavras do papa. Vários espanhóis deixaram a Igreja nas últimas três décadas, desde a queda do ditador Francisco Franco, uma vez que gozavam de privilégios especiais. Mas milhares de espanhóis deram boas-vindas ao papa em sua chegada à terceira maior cidade espanhola. Organizadores da viagem estimam que cerca de 1,5 milhão de pessoas devem participar da missa que o papa celebrará neste domingo.

O papa, durante a sua visita à catedral de Valência, construída no século 17, declarou aos bispos que estava preocupado com a tendência secular em um país com profundas raízes cristã e exortou-os a manter vivo e vigoroso o espírito, que tem acompanhado a vida dos espanhóis ao longo da História.

Bento XVI fez referências ao casamento entre homossexuais antes mesmo de sua saída do avião. Ao ser perguntado sobre o papel do casamento entre homossexuais na sociedade, o papa declarou que "de acordo com a natureza humana, é o homem e a mulher que foram feitos um para o outro para dar um futuro à humanidade". O pontífice disse que a Igreja não pode aceitar algumas coisas, mas que, ao mesmo tempo, tem que ajudar as pessoas e respeitá-las.

O Rei Juan Carlos, a Rainha Sofia, além de Zapatero, receberam o papa em sua chegada e uma banda militar tocou os hinos da Espanha e do Vaticano.