Brasília – O líder do PT no Senado e presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Correios, Delcídio Amaral (MS), criticou hoje a operação tapa-buraco para a recuperação de estradas, que começa a ser feita pelo governo na próxima semana. "Ficamos, novamente, no remendo e não resolvemos o principal. Medidas emergenciais não resolvem o problema", afirmou Amaral, que é um dos integrantes da Comissão de Infra-Estrutura da Casa.

Na avaliação dele, a administração federal demora muito tempo para melhorar a infra-estrutura no País. Amaral observou que os contratos das Parcerias Público-Privadas (PPPs) estão atrasados e que o Poder Executivo também não usa a Lei de Concessões. "Espero que o governo mobilize a sua equipe ministerial para recuperar o tempo perdido", disse.

O líder do PT no Senado e presidente da CPI dos Correios afirmou ainda que tinha esperanças de que 2005 fosse o ano de investimentos pesados em infra-estrutura por parte do Executivo federal. "Pensei que 2005 seria o ano das estradas, dos portos, da energia. Mas não foi", lamentou. A operação tapa-buraco está prevista para começar na segunda-feira (09) e deve durar 90 dias. O ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, admitiu que o material a ser usado nas obras de emergência para recuperação das estradas dura, em média, um ano.