Rio – A diferença entre o ritmo de crescimento econômico mundial e o brasileiro está aumentando ao longo do tempo, disse há pouco o economista do Instituto de Pesquisa Econômica Aplica (Ipea) Armando Castelar, no seminário Perspectivas Socioeconômicas para 2006. "Se o parâmetro é o mundo, a gente está andando para trás mais rapidamente do que antes", afirmou.

Segundo Castelar, o crescimento econômico brasileiro médio nos períodos de 1994 a 2002 e de 2003 a 2006 é semelhante, mas o crescimento econômico mundial aumentou muito no segundo período, e o Brasil não acompanhou. Para que o Brasil tenha maior crescimento, Castelar acha necessário também aumentar os investimentos no País. Ele considera porém que "o Brasil não tem o clima adequado para investimento, e sem esse clima dificilmente a gente vai voltar a crescer".

O economista disse para criar o ambiente favorável ao investimento o Brasil precisa fazer uma série de reformas como a previdenciária, a tributária e a trabalhista, entre outras. "Em 2006, não estamos fazendo nada disso, e em algumas áreas estamos piorando", disse. Segundo Castelar, o Brasil continua sendo a terceira economia mais fechada do mundo e "o principal problema do Brasil ainda é de macroeconomia: é fiscal".

Ele afirmou que a lista de reformas que apresentou vem sendo recomendadas por economistas há muito tempo. "Se há tanto consenso de que precisamos fazer reformas, por quê não são feitas? A resposta é que a engenharia política disso não está sendo pensada", disse.