O líder do governo na Câmara, Arnaldo Madeira (PSDB-SP), admitiu há pouco que existe o risco de a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2003 não ser votada nem mesmo em julho. Madeira não acredita que seja possível, a três meses das eleições, conseguir o quórum necessário para a votação da LDO ou mesmo um acordo entre os partidos.

A sessão de hoje do Congresso em que seria votada a LDO foi suspensa por falta de combinação entre as legendas e remarcada para terça-feira (02), às 15h.

Ele não vê sentido na votação da LDO em agosto, uma vez que o prazo para a apresentação do Orçamento de 2003 pelo governo ao Congresso termina no dia 30 daquele mês. Essa, segundo Madeira, foi a primeira vez, em oito anos, que o Legislativo não vota a LDO em tempo hábil. O líder do governo na Câmara não considera o fato ruim para o governo.