O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Guido Mantega, disse hoje, em São Paulo, que não vê a possibilidade de o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, deixar o governo, apesar da crise política que o envolve, com suspeitas de ter recebido dinheiro proveniente de corrupção. "Estive com o ministro Palocci e com o presidente Lula ontem (16), trabalhando no Planalto, em reunião de bancos públicos. Posso garantir que não vi nenhum sinal, nenhuma agitação do ministro Palocci, e olhe que ontem foi um dia de muita excitação política", afirmou, no escritório do BNDES na capital paulista.

"A discussão no governo tem uma amplitude menor do que parece", adicionou. Segundo Mantega, há muitas denúncias contra o ministro da Fazenda, misturando "fofoca política" com a vida pessoal e privada, sem nenhuma comprovação.

"Há muita fumaça e pouco fogo. Não vi prova e tudo que foi dito é muito frágil. Deve haver investigação, mas estamos condenando rapidamente as pessoas", opinou. "Parece uma grande especulação política, com acusações ligeiras e de caráter eleitoreiro, num momento oportuno", acrescentou, ao manifestar confiança em Palocci e insistir que ele é "um dos responsáveis pelo sucesso da política econômica e não é o caso de enfraquecê-lo".