Brasília – O ministro Roberto Rodrigues, um dos principais interlocutores brasileiros nas discussões da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre o tema agricultura, anunciou sua saída do governo no momento em que começa em Genebra, na Suíça, um encontro ministerial considerado importante para o avanço das negociações que visam a abertura do mercado dos países ricos aos produtos agrícolas dos países em desenvolvimento.

Apesar disso, Rodrigues afirmou, em entrevista nesta tarde, que sua saída do governo não enfraquece a liderança brasileira na defesa dos interesses do chamado G20 (grupo dos 20 países em desenvolvimento).

Ele ressaltou que o ministério enviou a Genebra "uma excelente equipe técnica" e que o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, tem sabido defender os interesses agrícolas brasileiros na OMC. "Além disso, trata-se de uma posição de governo. O governo tem dado apoio muito claro à agricultura, o que independe, no momento, da minha presença. Possivelmente, essa posição tenha crescido muito com a minha presença, mas hoje ela está consolidada", afirmou Rodrigues.

O ministro afirmou também que a inserção do tema agricultura nas discussões internacionais é um dos principais marcos de sua gestão. Ele citou a criação da Secretaria de Assuntos Internacionais do ministério e a atuação da pasta para a formação de conselhos consultivos com vários países, como Estados Unidos, Canadá, Coréia e Chile.

De acordo com o ministro, essas medidas permitiram que a agricultura brasileira marcasse posição forte nos debates no âmbito da OMC e do Mercosul, por exemplo.