Detentos das penitenciárias do Paraná recebem cursos de qualificação em jardinagem, panificação e confeitaria, salão de beleza (manicure, pedicure, maquiagem e depilação), cabeleireiro, corte e costura e marcenaria, por meio do Plano Nacional de Qualificação Social e Profissional.

Com cerca de R$ 136 mil em recursos do Fundo de Amparo do Trabalhador (FAT), 290 detentos da Colônia Penal Agrícola, Penitenciária Feminina de Piraquara, Penitenciária Central do Estado, Prisão Provisória de Curitiba, Penitenciária Estadual de Londrina, Maringá e Ponta Grossa, garantem aprendizado e qualificação.

Os alunos foram selecionados tendo como critérios o bom comportamento, afinidade com os conteúdos abordados e o fim do cumprimento da pena, já que é preciso dar uma atenção especial àqueles que estão prestes a voltar a conviver em sociedade. E quem pôde fazer aprovou: ?nunca tive a oportunidade de participar de cursos profissionalizantes fora daqui, é uma maneira de adquirir novos conhecimentos e aumentar as chances de trabalho quando estiver em liberdade?, diz Anderson Costa, que está concluindo o curso de jardinagem.

Além do aprendizado, os detentos podem contar com a redução de um dia na pena a cada 18 horas em que trabalham ou fazem algum tipo de capacitação. Os certificados de conclusão de curso aos penitenciários seguem o mesmo padrão dos emitidos em cursos convencionais.

Um dos módulos do curso, que tem carga horária de 200 horas, trata de temas gerais como cidadania, ética, relacionamento interpessoal, direitos do trabalhador e raciocínio lógico. ?É importante abordar também os conhecimentos gerais, porque muitos deles, devido à baixa escolaridade, enfrentam dificuldades no dia-a-dia do trabalho, como por exemplo tomar as diferentes porcentagens para produzir uma tintura ? no caso de um cabeleireiro, ou as medidas para fabricar um móvel ? no caso de um marceneiro. E são enfatizados também o conceito de trabalho e não mais do emprego, aquele para a vida toda, por meio de valores como o associativismo e cooperativismo nos moldes da economia solidária?, ressalta o secretário do Trabalho, Emprego e Promoção Social, padre Roque Zimmermann.

Plano Nacional de Qualificação

O Plano Nacional de Qualificação se desenvolve nos Estados e municípios através dos Planos Territoriais de Qualificação ? Planteqs e Planos Especiais de Qualificação ? Proesqs, que são executados no Paraná pela Secretaria do Trabalho, Emprego e Promoção Social, Conselho Estadual do Trabalho e entidades não governamentais, sem fins lucrativos, que são as executoras do programa.

No caso das penitenciárias, a instituição especializada em educação profissional, que seleciona os professores e põe em prática os cursos, é a Associação Geração e Talentos. ?Buscamos profissionais especializados para atender esse tipo de público?, diz a coordenadora geral da Associação, Neuci Neves. E a iniciativa já vem dando bons resultados: somente 28% dos detentos que recebem qualificação voltam a cometer crimes, o que coloca o Paraná entre os menores índices de reincidência criminal do país.